sexta-feira, 21 de abril de 2017

sábado, 1 de abril de 2017

"BÚSSOLA" - MATHIAS ENARD




Acabei recentemente de ler este livro justamente galardoado  como Prémio Goncourt.

É escrito  na primeira pessoa por Franz numa noite de insónia.

E tod@s nós sabemos o que é uma noite branca , onde todas as memórias e todas as angústias nos assaltam e cercam.Principalmente se temos problemas de saúde, como é o caso desta personagem.

Ligado ao Oriente, Mathias Enard leva-nos pela mão numa viagem guiada a músicas, sítios, acontecimentos passados ali fazendo-nos conhecer compositores, locais e pessoas interessantissimas. Tudo isto tendo como pano de fundo o seu relacionamento sentimental com Sarah.

Tem uma particularidade: não recordo ter encontrado em nenhum romance tantas  referências a Portugal como em "Bússola".

Sugiro a leitura, penso que se não arrependerão.


EXCERTOS

"Nenhuma imagem representa melhor a assustadora batalha que os jihadistas levam a cabo contra a história do Islão do que esses pobres tipos aprumados, no seu canto do deserto, embestando contra tristes instrumentos marciais de que ignoram a proveniência."


"O folclore bósnio integra cantigas tradicionais chamadas sevdalinke. A palavra provém de um termo turco, sevdah, roubado ao árabe  sawda, que significa < a negra >. No cânone de Medicina de Avicena, é o nome dado ao humor negro, a melan kholia dos gregos, a melancolia. Trata-se, portanto, do equivalente bósnio da palavra portuguesa saudade, que (contrariamente ao que defendem os etimologistas) provém também ela do árabe sawda - e da mesma bílis negra.

As sevdalinke são a expressão de uma melancolia, como os fados."